domingo, 8 de agosto de 2010

Pros coleguinhas veterinários (e quem mais lide com animais).

Quem tem bichinho sabe: todo ano tem que vacinar contra n doenças, inclusive contra a raiva. Raiva é tão sinistra que o Ministério da Saúde gasta parte da sua verba adquirindo vacinas para as campanhas anuais de vacinação de cães e gatos.

Tá, mas e nós, bichos-humanos?

Quando eu tinha uns 4 ou 5 anos, um gatinho de rua me mordeu o braço. Lembro até hoje das inúmeras injeções na bunda, e de como eu fingia rir enquanto as lágrimas escorriam. Sexta-feira fui parar no Posto de Saúde pra tomar de novo, depois de um pequeno acidente de trabalho com um animal não vacinado. Tomei esporro por já não ser vacinada, então terei que fazer o ciclo completo de 5 doses.

Coleguinhas veterinários, vocês que não estão vacinados, corram. Esse papo de erradicação da raiva no Estado é balela e o ditado já diz: melhor prevenir que remediar, principalmente se não tem remédio. O esquema de vacinação é simples: 3 doses, uma no dia 0, uma no 7 e outra no 28. Fazer sorologia após 14 dias e repetir anualmente. Aqui no Rio as vacinas podem ser aplicadas em diversos postos de saúde, mas a sorologia só é feita no Instituto Jorge Vaitsman, na Mangueira.

Arriscar pra que, né?

3 comentários:

Olivia disse...

Uma vez fui mordida por um gatinho na rua... Fui tentar tirar do meio de uma rua com um monte de carros em alta velocidade.
Foram 10 vacinas, soro na barriga, uma antitetanica num braço e uma bezetacil em outra. Depois disso, eu guardei o comprovane das vacinas para que, caso eu seja mordida novamnte, não precise tomar isso tudo de injeção.
Além da falta de interesse dos donos que não gostam de ter trabalho com seus animais, há um problema sério, que é a falta de divulgação pelas autoridades competentes. Eu, por exemplo, não sabia da vacinação ontem. Acabei perdendo! Várias pessoas comentaram que não viram nenhuma divulgação.
Agora vou ter que procurar saber no veterinário para correr atrás do meu pejuízo.

***GrAzI disse...

Tem que prevenir mesmo!!!
Mas vem cá... chorou dessa vez tbém? rsrsrsrsrsrs
;)
Bjokas

Dona Lô disse...

E lembrar que, caso for atacado por animal não passível de observação, o soro tem que ser tomado até a terceira dose da vacina, senão depois não vale de nada. E quem for atacado, por favor, carteira de vacina do animal é o de menos. Levem até a unidade de saúde mais próxima o nome e o endereço do proprietário do animal, que é o que mais vai ajudar na observação. E, claro, mantenham seus esquemas vacinais, como o antitetânico, em dia! São três doses em intervalos de dois meses e reforço a cada 10 anos, salvo situações especiais. A Enfermagem da Assistência Básica agradece!